O que é whey protein vegano? Benefícios e modo de usar

Especialista da área:
atualizado em 15/01/2022

Whey protein vegano é aquele feito sem a utilização de fontes animais, como a proteína do leite, utilizada normalmente no famoso whey protein tradicional. Ambos são suplementos para auxiliar no ganho de massa muscular.

  Continua Depois da Publicidade  

Assim como existem versões veganas dos mais variados alimentos e produtos cosméticos, existe também uma linha completa de suplementos alimentares veganos.

Basicamente, o veganismo consiste em não consumir qualquer produto de origem animal, como alimentos, roupas, sapatos, produtos cosméticos testados em animais, entre outros.

É inegável como o veganismo tem crescido no Brasil e no mundo. Tanto que a maioria das pessoas conhece alguém em sua família, trabalho ou ciclo de amizades que aderiu a esse estilo de vida.

Saiba a seguir quais são os tipos de whey protein vegano, de que são feitos, sua qualidade nutricional e como consumi-los.

Quais são os tipos de whey protein vegano?

Em primeiro lugar, é importante saber que não é tão correto chamar os suplementos com proteína de origem vegetal de “whey protein vegano”. Afinal, o termo “whey protein” refere-se especificamente à proteína do soro do leite, que não pode fazer parte da dieta vegana.

Mas, então, do que são feitos os suplementos veganos de proteínas? Bem, os mais comuns são à base de proteína de soja, proteína de arroz e proteína de ervilha.

  Continua Depois da Publicidade  

Essenciais para a construção e manutenção dos músculos, as proteínas são formadas por aminoácidos. E é justamente neles que está a diferença entre as proteínas de origem animal e as de origem vegetal.

As proteínas animais contêm todos os aminoácidos essenciais, aqueles que não são produzidos pelo organismo e precisam ser ingeridos por meio da alimentação. Entretanto, isso não ocorre com as proteínas vegetais: nelas, falta um ou mais aminoácidos essenciais ou a quantidade em que eles estão presentes é muito baixa.

A boa notícia é que como cada proteína vegetal possui diferentes aminoácidos, aquele que falta em um, está presente no outro. Portanto, as proteínas vegetais podem ser combinadas para melhorar o seu perfil de aminoácidos.

A proteína de soja

Proteína de soja
A proteína de soja é um dos suplementos proteicos mais conhecidos

A proteína de soja (ou soy protein) conta com grandes concentrações dos aminoácidos arginina e L-tirosina e sua velocidade de absorção é considerada ótima.

Os suplementos do tipo fornecem uma proteína vegetal completa, porém, algumas pessoas preferem não usá-la por não saber se ela pode ter origem transgênica.

A proteína de ervilha

A proteína da ervilha (pea protein) é rica em ferro, zinco e BCAA (aminoácidos de cadeia ramificada). Ela também possui uma quantidade alta de lisina e a arginina é outro aminoácido presente na proteína vegetal.

  Continua Depois da Publicidade  

Entretanto, como ela apresenta baixas quantidades de metionina, é necessário incluir grãos integrais na alimentação para compensar a ausência do aminoácido.

A proteína de arroz

Há ainda a proteína de arroz (rice protein), que possui um teor elevado de aminoácidos ramificados, como a metionina e a leucina. Por outro lado, ela não tem lisina, o que torna necessária complementar a dieta com fontes desse aminoácido.

Batata: o próximo suplemento de proteína vegetal?

Um estudo canadense de maio de 2020 apontou que embora a quantidade de proteína da batata seja pequena, quando essa proteína é isolada, ela pode oferecer benefícios em termos de ganho muscular para os veganos.

A pesquisa avaliou dois grupos de mulheres da faixa dos 20 anos de idade, que praticavam exercícios regularmente. Um grupo consumiu apenas a quantidade normalmente recomendada de proteína (cerca de 0,8 g por kg de peso corporal), já o outro ingeriu uma quantia adicional, a proteína isolada da batata, aumentando o consumo de proteínas para 1,6 g por kg.

Com isso, os pesquisadores concluíram que as mulheres que ingeriram a proteína adicional registraram uma maior taxa de produção de proteínas no músculo, enquanto o outro não apresentou mudanças.

A suplementação vegetal não é necessariamente inferior

Proteínas
Suplementos de proteína vegetal são tão eficientes quanto os à base de proteína do leite

Segundo o médico Bruno Menezes, que atua na endocrinologia e na medicina do esporte, não há evidências que indiquem que os suplementos de proteína vegetal sejam menos eficientes que os produtos à base de proteína do leite.

  Continua Depois da Publicidade  

Além disso, o whey protein vegano contém baixo teor de carboidratos, não possui colesterol, é livre de lactose (benefício importante para pessoas com intolerância à lactose ou com alergia à proteína do leite – APLV), e possui índice glicêmico baixo.

Como tomar o whey protein vegano?

A recomendação é que o suplemento em pó seja ingerido diluído com água (200-300 ml). Com relação à quantidade de proteína, é importante buscar orientação com um profissional nutricionista para determinar a quantidade exata, evitando assim o consumo exagerado.

Quanto ao período, o whey protein vegano pode ser tomado ao acordar, pré-treino, pós-treino, ou antes de dormir.

Assim como qualquer suplementação, é importante respeitar as dosagens estipuladas, pois o consumo em excesso de proteínas pode provocar alterações no fígado, aumento do colesterol e problemas nos rins.

Além disso, para garantir que o seu suplemento de proteína vegetal realmente tenha todos os aminoácidos essenciais ou saber se é preciso fazer alguma combinação para chegar a uma proteína completa, consulte um nutricionista na hora em que for escolher o produto.

Fontes e referências adicionais

Você já experimentou algum desses tipos de whey protein vegano? Se não, pretende utilizar algum? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Nenhum voto ainda)
Loading...
Categorias Sem categoria
Sobre Dr. Alexandre Seraphim

Dr. Alexandre Seraphim é Nutrologista - CRM 52.978779. Formou-se médico pela Universidade do Grande Rio e é pós-graduado em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia. Possui diversos cursos na área de emagrecimento, hipertrofia e medicina ortomolecular que o qualificam ainda mais como um grande especialista da área. Atualmente, exerce sua especialidade em uma clínica localizada na Barra da Tijuca e também em Bangu, ambas no Rio de Janeiro. Para mais informações, entre em contato com ele em sua conta oficial no Instagram (@dr.alexandre.seraphim).

Deixe um comentário